quinta-feira, 13 de outubro de 2016

VAQUEJADA: é justo o STF proibir para preservar o meio ambiente?



(Foto: Divulgação/Doido por Vaquejada).
(Foto: Divulgação/Doido por Vaquejada).


Dizem os especialistas em evolução humana que lá um dia o homem chegará a um estágio que considerará prática desprezível o ato de comer animais.Ou, como dizem os mais cáusticos, de fazer do estômago túmulo, pela selvageria, mesmo sofisticada em ambientes requintados, que isso enseja.
Os vegetarianos já seriam o embrião dessa tendência. Seria o ato do STF de proibir as vaquejadas o lado institucional do mesmo caminho? Não é o que parece.
A decisão, em essência, diz que as vaquejadas impõem sofrimento aos animais e, por tabela, fere os princípios constitucionais de preservação do meio ambiente.
Ora,bolas.Por aí, derrubar o boi pelo rabo, como fazem os vaqueiros nas vaquejadas, é judiar do boi. Mas matar para comer, como se faz com tantos bichos, pode.
Nada a ver com evolução da humanidade, portanto. Parece mais coisa da burocracia jurídica, que do alto do seu pedestal fica forjando interpretações para a lei,desprezando as incoerências que elas ensejam.
Por agora, ficamos com os vaqueiros.
Radialista-Blogueiro Paulo José,com Ana Cabeleireira e a estudante Ananda Magalhães
Estrada do Vaqueiro
Defensor das vaquejadas,o deputado Daniel Almeida (PCdoB) comemorou anteontem a aprovação, na CCJ da Câmara, de um projeto de lei dele que coloca o nome do trecho da BR-235, entre as divisas com o Piauí e Sergipe, de Estrada do Vaqueiro.
Daniel diz que a questão das vaquejadas é cultural. ‘Desde menino eu frequento’.
Caso baiano
A decisão do STF foi com relação a uma lei do Ceará, mas, com certeza, a cancela está aberta para casos similares no resto do país.
Na Bahia, por exemplo, o deputado Eduardo Salles (PP) aprovou na Assembleia uma lei que regulamenta as vaquejadas.
Ela é contestada judicialmente por outro deputado, Marcell Moraes (PV).Além disso, um pedido do Ministério Público Estadual,de vetar a realização da Vaquejada de Praia do Forte, foi acatado pela Justiça na terça (11).

0 comentários:

Postar um comentário

Regras do site:


Não serão aceitos comentários que:

1. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

2. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.