quinta-feira, 10 de março de 2016

U R G E N T E: MP-SP PEDE A PRISÃO DE LULA

Promotores
Fernando Henrique de Moraes Araújo, Cassio Conserino e José Carlos Blat, o trio que deseja colocar Lula na cadeia
A poucos dias das manifestações contra o governo Dilma Rousseff e o PT, os promotores Cassio Conserino, José Carlos Blat e Fernando Henrique de Moraes Araújo, do Ministério Público de São Paulo, apresentaram denúncia por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pediram sua prisão preventiva.
A denúncia do MP-SP, encaminhada na quarta-feira 9 à Justiça e tornada pública nesta quinta-feira 10, versa sobre suposta ocultação de patrimônio no caso do apartamento tríplex do Guarujá. Além de Lula, são citados a ex-primeira dama Marisa Letícia, pelo crime de falsidade ideológica, e um dos filhos do casal, Fábio Lula da Silva, o Lulinha, por participação em lavagem de dinheiro.
O pedido de prisão, baseado na suposta possibilidade de Lula fugir, será analisado pela juíza Maria Priscilla Ernandes Veiga Oliveira, da 4ª Vara Criminal de São Paulo.
De acordo com o Tribunal de Justiça de São Paulo, Veiga Oliveira recebeu o pedido de prisão de Lula na quarta-feira 9, mas não tem prazo para dar uma resposta.

Em 2008, a juíza que analisará o caso do ex-presidente ganhou o noticiário ao condenar um homem a três anos de prisão em regime fechado por tentativa de assalto mesmo sem ele ter sido reconhecido pela vítima. Como contou o jornal O Estado de S.Paulo em 5 de setembro de 2008, a "juíza disse que a vítima não reconheceu o suspeito no Fórum porque teve medo – a afirmação foi feita com base em sua observação, já que nada foi dito pela vítima".
Nesta quinta-feira 10, o promotores concederam uma entrevista coletiva na sede do MP-SP e passaram boa parte do tempo defendendo sua legitimidade para atuar no caso. Era uma resposta à defesa de Lula, que entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal afirmando que a investigação do MP-SP e do Ministério Público Federal no âmbito da Operação Lava Jato não poderiam ocorrer de forma concomitante por tratarem do mesmo tema.
A ministra Rosa Weber, do STF, rejeitou o pedido da defesa de Lula e autorizou as duas operações.“A investigação é desdobramento de outra investigação feita há cinco anos pelo dr. José Carlos Blat”, disse o promotor Cássio Conserino. “São crimes estaduais, que dizem respeito a lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.”
Os promotores afirmaram que a investigação do tríplex está na alçada estadual no que compete à negociação da unidade, e na federal, no que tange às reformas realizadas na unidade, com suposto dinheiro com origem no esquema de corrupção da Petrobras.
Conserino disse que a investigação está inserida no contexto de que milhares de famílias que adquiriram unidades da Bancoop foram “despojadas” do sonho da casa própria, enquanto o ex-presidente foi contemplado com o tríplex. “Nós refutamos o ponto nevrálgico dessa história, não há invasão de competências.”Os promotores detalharam que a investigação remonta a 2010, com a transferência de obras da Bancoop para a construtora OAS. “Nesse imbróglio de estelionato, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro sobre um dos investigados, o trabalho não se confunde com o MPF”, disse novamente Conserino, referindo-se ao Ministério Público Federal.

“A todos os investigados foi franqueado o contraditório”, disse o promotor Fernando Henrique de Moraes Araújo, preocupado em assegurar que os promotores envolvidos na investigação são “naturais”. Disse também que “toda a alegação por parte do advogado de defesa sobre o conflito (de atribuições) não tem a ver”.Em nota divulgada na quarta-feira, o Instituto Lula disse não ver "nenhuma novidade na denúncia", que já "havia sido anunciada na revista Veja, em 22 de janeiro de 2016, pelo promotor Cássio Conserino".Segundo o instituto, "Cássio Conserino não é o promotor natural do caso e pré-julgou antes de ouvir o ex-presidente, mostrando que é parcial". O instituto afirma que "o ex-presidente Lula não é proprietário nem de triplex no Guarujá nem de sítio em Atibaia, e não cometeu nenhuma ilegalidade", e que "apresentou sua defesa e documentos que provam isso ao promotor Cássio Conserino".

0 comentários:

Postar um comentário

Regras do site:


Não serão aceitos comentários que:

1. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

2. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.