sábado, 24 de outubro de 2015

Falta d’água já é motivo de guerra no rio Jequitinhonha


Com a seca prolongada, a água passa a ser alvo de disputa entre populares e produtores rurais. A indignação da população é que os produtores estão retendo o que resta nos rios para irrigação e manutenção das lavouras ou até mesmo para dar aos animais.
Em alguns casos, como é mostrado no povoado da Tampera, populares já fala em ir a luta para buscar o que resta nos córregos.
Uma briga semelhante foi registrada na cidade de Mata Verde, onde produtores deixaram toda a cidade sem água por mais de cinco dias. Graças à intervenção do prefeito a situação foi temporariamente resolvida.
Um vídeo que circula na INTERNET mostra uma fila enorme de pessoas, na cidade de Itambacuri, esperando a sua vez de pegar um pouco de água para levar para casa. Na fila aprecem crianças, adolescentes, mulheres, enfim - famílias inteiras em desespero para conseguir a água para as necessidades mais básicas. 
O Vale do Jequitinhonha tem vivo um dos seus piores momentos de seca. Em algumas cidades já são mais de seis meses sem chuva. Se continuar assim, a única gota que o chão verá, será a de sangue.Esperamos que haja paciência e solidariedade neste momento de crise.
Ótima notícia:
A Fundação Estadual do Meio Ambiente lança nesta quarta-feira (21/10), na sede do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), o Índice Mineiro de Vulnerabilidade Climática (IMVC), instrumento inédito no país. O objetivo é prever os riscos gerados pela vulnerabilidade às mudanças climáticas nas quais os municípios mineiros estão expostos e fornecer subsídios para o planejamento de ações.

O Índice, disponível na plataforma online Clima Gerais está sendo lançado juntamente com o edital do BDMG, que irá disponibilizar uma linha de crédito no valor de R$ 50 milhões para financiar projetos de infraestrutura municipal voltados para questões climáticas e para a universalização de serviços básicos.
Um dos critérios que será usado pelo BDMG para avaliar as solicitações de financiamento dos municípios serão as informações disponibilizadas no IMVC. 
O IMVC foi desenvolvido em parceria com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), por meio de termo de cooperação técnica, e é uma ferramenta que permite avaliar o nível no qual os municípios de Minas Gerais são suscetíveis ou incapazes de lidar com os efeitos negativos das mudanças climáticas.
A avaliação da vulnerabilidade é um instrumento relevante, que agrupa uma série de indicadores econômicos e socioambientais para medir a sensibilidade, a exposição e a capacidade de adaptação local às mudanças climáticas e seus impactos. Ao todo foram usados 28 indicadores para elaborar o Índice.
O Índice será um importante instrumento para criar políticas públicas para prevenir danos e adaptar as cidades às mudanças do clima. O IMVC foi construído a partir da adaptação da metodologia indicada pelo Intergovernmental Panel on Climate Change - IPCC (Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas).
O IMVC concluiu que 78% das cidades mineiras têm alta sensibilidade às mudanças climáticas e 15% dos munícipios estão em áreas de vulnerabilidade extrema. O índice detectou, também, que cerca de mais da metade das cidades mineiras têm uma capacidade relativamente baixa de se adaptar às mudanças do clima e seus efeitos. Juntas, estas cidades possuem uma população de mais de cinco milhões de pessoas.
A partir de 2016, a Feam fará chamadas públicas para que os municípios mineiros que desejarem receber apoio técnico do Estado no desenvolvimento de estratégias e políticas públicas se inscrevam junto à instituição.

0 comentários:

Postar um comentário

Regras do site:


Não serão aceitos comentários que:

1. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

2. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.