segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Itabuna demite 70% dos atuais vereadores

Além de eleger Antonio Mangabeira prefeito, que nunca tinha sido candidato, a população de Itabuna mandou para casa dois terços da atual Câmara.
Sobraram apenas seis: Aldenes Meira e Jairo Araújo (PCdoB), Pastor Francisco (PRB), Chico Reis (PSDB), Ronaldão (PMN), Júnior Brandão (PT) e Antônio Cavalcante (PMDB).
Os eleitos foram Ninho (PR), 1.883 votos; Aldenes Meira (PCdoB), 1.852; Pastor Francisco (PRB), 1.750; Ronaldão (PMN), 1.580; Júnior do Trator (PHS), 1.449; Manoel Júnior (PV), 1.219; Jairo Araújo (PCdoB), 1.138; Chico Reis (PSDB), 1.135; Júnior Brandão (PT), 1.114; Alex da Oficina (PTC), 1.111 votos.
Mais Antônio Cavalcante (PMDB), 1.103 votos; Nel do Bar (PPS), 1.098; Milton Gramacho (PRTB), 1.086; Beto Dourado (PSDB), 1.055; Ricardo Xavier (PPS), 961; Babá Cearense (PHS), 830; Charliane Sousa (PTB), 827; Zico (PTC), 808; Chicão (PTB), 755; Robinho (PP), 687 e Enderson Guinho (PDT), 669 votos.
Os maiores derrotados para prefeito foram o ex-prefeito Geraldo Simões (PT), que recebeu apenas 8.104 votos e o ex-deputado Davidson Magalhães, com 5.973. O vereador eleito mais votado foi Ninho com 1.883 e o menos votado, Enderson Guincho, que recebeu 669.
Entre os que foram rejeitados pelo eleitor estão Loiola (808), Gegeu Filho (630), Rui Machado (601), Nadson Monteiro (583), Roberto de Souza (497), Zé Silva (379), Ailson Souza (353), Valter Socorrinho (188). Tem ainda o emblemático caso de Capitão Fábio. Ex candidato a prefeito, desta vez desceu para vereador mas só recebeu 457 votos.
A eleição de Itabuna também foi marcada por "perdedores profissionais", pessoas que se candidatam há várias eleições sem nunca chegar perto de uma cadeira na Câmara. É o caso de Ciro Sales (58), Frankvaldo Lima (241), Otoniel (172), Zelito Carrão (202), Denelisio Nobre (576) e Leléu (575).
Um caso especial nesta turma é o de Pedro Eliodório, que em 2012 concorreu a prefeito pelo PCB e teve 704 votos. Para esta eleição, ele mudou para o PT, concorreu a vereador e só recebeu 10% disso, 70 votos. Outro dado interessante é que, dos 30 menos votados, 19 são mulheres, a maioria com zero voto.

É o resultado da lei que obriga os partidos a ter 30% de mulheres entre os candidatos. Aprovada por ativistas feministas, a lei ignorou a falta de interesse delas e obriga os partidos a inscrever mães, filhas, cunhadas, empregadas, amigas que não fazem campanha, apenas para cumprir a cota.

0 comentários:

Postar um comentário

Regras do site:


Não serão aceitos comentários que:

1. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

2. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.