sexta-feira, 17 de junho de 2016

CULTURA É COMO VITAMINA C

Por Mario Sabino
Há uma passagem na biografia de Winston Churchill escrita por Lord Roy Jenkins que não me sai da cabeça. Ao visitar um distrito pobre, o ainda jovem Churchill perguntou a um assessor: “Você imagina o que é passar uma vida inteira sem ter uma conversa inteligente?”. Estava falando da falta de oportunidade de desenvolvimento intelectual e estético dos habitantes daquele lugar que lhe parecia especialmente precário.
A passagem não me sai da cabeça porque a inteligência, produto sempre escasso na história, vem-se tornando cada vez mais rara desde que as diversões idiotas tomaram o lugar da cultura e o esquerdismo ocupou os currículos escolares. Vale tanto para pobres como para ricos.
Não há nada de errado em gostar de diversões idiotas. Eu, por exemplo, gosto muito de assistir a Game of Thrones. Já de novelas, eu tenho verdadeira alergia. Acho que elas empipocam o cérebro. Na escala da idiotice, as novelas atingem o grau máximo, juntamente com as obras de Lênin.
Não há nada de original em falar mal de novelas, mas talvez ainda haja alguma originalidade em falar mal de todo o resto que se produz no Brasil na área cultural. De modo geral, a televisão, o cinema, o teatro, a pintura, a escultura, a literatura, a música e a arquitetura brasileiras são de uma ruindade assombrosa.
Você, Mario, que escreveu quatro livros, também faz parte desse panorama desolador? Pode registrar aí: eu faço. Meus quatro livros são uma porcaria. Eu posso dizer porque os li. Sou tão ruim quanto Chico Buarque, que desancou o meu primeiro romance, anos depois de eu despedaçar um dos que ele escreveu (não me lembro o título). Se eu voltar à ficção, será apenas para provar mais uma vez que sou mau escritor e propiciar aos meus inimigos outros ataques a mim, mesmo que jamais tenham tido o desprazer de me ler (parafraseando João Cabral de Melo Neto, gosto de cultivar os meus inimigos como quem cultiva um deserto).
A cultura serve principalmente para termos conversas inteligentes. Conversas sobre se o mal pode conter o bem (a série Sopranos e Santo Agostinho), como transformar o particular em universal (Philip Roth e a Torre Eiffel), se o amor é destino ou construção (Woody Allen e Dante Alighieri) e por aí vai.
Conversas inteligentes não têm nada de aborrecidas, inclusive porque não costumam tomar mais do que dois por cento da nossa existência. No resto do tempo, voltamos forçosamente a exercer a nossa futilidade natural, preocupados que somos com os apetites rasteiros.
A cultura tem o papel de nos elevar um pouquinho, por curto espaço de tempo, da nossa própria mesquinhez. É como vitamina C. Você não precisa de muita por dia. Mas o mundo está carente dessa vitamina e, no Brasil, a falta é completa. A nossa produção cultural só contém carboidratos, glúten e lactose.

Sim, Churchill, dá para imaginar o que é passar uma vida inteira sem ter uma conversa inteligente.

0 comentários:

Postar um comentário

Regras do site:


Não serão aceitos comentários que:

1. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

2. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.