domingo, 4 de outubro de 2015

DROGAS?...DIGA NÃO.


Depressão, vontade de sumir, frustração, imposição. Parece que tudo está errado, uma droga! Cuidado, pois este sentimento pode te levar a um caminho sem volta: as drogas.

 

Mesmo que você não seja o vilão da história, também não deve se tornar uma vítima. Se já experimentou drogas, ou conhece alguém que tenha usado, sabe que aquela sensação de bem-estar imediato é uma grande besteira. A verdade é os sentimentos de culpa, medo ou depressão só tendem a aumentar e você pode arrumar mais um problema: a dependência.

 

A próxima armadilha é círculo vicioso, que te deixa sem saber se a maior preocupação são as drogas ou as complicações do seu dia-a-dia. É bom lembrar que a dependência não é causada só com a maconha, crack ou cocaína. O álcool também é uma droga que, infelizmente, pode ser encontrada em qualquer padaria, bar ou supermercado.

 

Aí você vai pensar: “Se a cerveja é vendida legalmente, porque eu não vou beber?  “Tá certo, o álcool é uma droga legalizada”. Não estou dizendo para você virar careta, mas se for beber, o faça com moderação. Em grandes quantidades, o álcool torna-se um vício perigoso também.

 

Pense bem antes de se tornar vítima das drogas. Seja você mesmo, sempre. Quando sentir medo ou insegurança no trabalho, na escola, com seus pais ou com seu (sua) namorada (O), procure um amigo com quem possa desabafar de verdade.

 

Reflita sobre esta poesia de um adolescente viciado que agora está em tratamento: “O suicídio mais doloroso é o da alma, quando fechamos nossos olhos para a chama de luz que nos cerca e escolhemos mergulhar para sempre no vazio de nosso ser”.

 
(*) PAULO ROBERTO formou-se em jornalismo em 1975 e há quarenta anos é jornalista profissional. Já foi repórter de Economia, Esporte e Política em outros veículos de comunicação do Estado de São Paulo. Além da profissão de jornalista, também é professor universitário aposentado e editor do blog De Olho em Canes.

0 comentários:

Postar um comentário

Regras do site:


Não serão aceitos comentários que:

1. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

2. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.