quinta-feira, 3 de setembro de 2015

O começo do fim e um novo começo?

Apesar de ainda ter que passar pela Câmara, a decisão do Senado, de aprovar, no pacote da reforma política, uma emenda que prevê o fim do financiamento eleitoral por parte de empresas, pode vir a ser uma revolução, caso, claro, seja confirmada. De acordo com o projeto, as campanhas eleitorais não poderiam mais receber dinheiro de empresas, e também não haveria o financiamento público (ideia abandonada até pelo PT), sobrando, portanto, apenas o financiamento de pessoas físicas e o dinheiro dos próprios partidos. Sem o dinheiro dos grupos empresariais, seria o fim de campanhas de 320 milhões de reais, como a de Dilma em 2014, e publicitários como João Santana, que recebeu 70 milhões na última eleição presidencial, ficariam desempregados. As eleições teriam um custo quase dez vezes mais barato, e as propagandas na TV dificilmente seriam as milionárias novelas irreais produzidas atualmente. É ou não é uma revolução? Mas só acreditamos vendo. 

0 comentários:

Postar um comentário

Regras do site:


Não serão aceitos comentários que:

1. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

2. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.