terça-feira, 8 de setembro de 2015

CABRUCA, UM BOM SALTO PARA REDENÇÃO DO CACAU

juvenal-ok

Da coluna Tempo Presente, de
Levi Vasconcelos, Jornal a Tarde.

A cabruca, o modelo pelo qual os antigos cacauicultores, por desconhecerem técnicas ditas ‘modernas’, plantavam debaixo da mata nativa (quem diria?), virou a salvação da lavoura.

O Inema publicou portaria que permite o manejo da cabruca. Juvenal Maynart (foto), superintendente da Ceplac na Bahia, mentor da ideia, soltou foguetes. Os produtores, sem esperança desde que a vassoura-de-bruxa aniquilou o fruto de ouro, também.

O xis da questão: a portaria permite o manejo da cabruca, o que implica cortar árvores cirurgicamente, fazendo o replantio ao triplo (três para cada uma derrubada), além de tirar as exóticas, como a jaqueira.

A cabruca tinha como grande trunfo a preservação ambiental e isso permanece, com o detalhe: agora, é possível mexer nela legalmente, o que significa dinheiro vivo no potencial de madeira a ser extraída.

Milton Andrade Júnior, presidente do Sindicato Rural de Ilhéus, diz que o primeiro resultado já se vê: o preço do hectare das áreas de cabruca, antes a R$ 6 mil, pulou para R$ 20 mil, mais que o triplo.

Enfim, as terras voltaram a ser respeitável garantia bancária no momento em que a cacauicultura recupera a produtividade.

O que falta – Milton Andrade Júnior diz que com todos os percalços o cacau ainda é a terceira lavoura da Bahia, só perde para a soja e o algodão. Precisa de investimentos, dinheiro para custeio e saldar as velhas dívidas.
Só falta o governo enxergar.

0 comentários:

Postar um comentário

Regras do site:


Não serão aceitos comentários que:

1. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

2. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.