terça-feira, 2 de abril de 2019

Reportagem do Blog Paulo José sobre o Autismo é citada pelo Ver.Valdir Veloso na sessão e parabenizada pela psicóloga Ester Pereira


Nesta terça-feira(2)é o Dia Mundial de Conscientização do Autismo.Os números desse transtorno na população chamam a atenção para políticas mais desenvolvidas de diagnóstico correto e tratamento.Para mostrar a importância do assunto,o Blog Paulo José (veja aqui)chamou atenção para o problema e o vereador Valdir Veloso(PP),pautou seu discurso baseado na reportagem e conclamou para que o governo municipal procure abraçar mais esta causa e ajude a diminuir o sofrimento de famílias que enfrentam essa situação diariamente.
Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),o Brasil tem 38,5 milhões de crianças de 0 a 13 anos.Ao aplicar o índice da Opas,dessas,cerca de 241 mil seriam autistas.A estimativa,contudo, é que o número seja ainda maior.Estudiosos acreditam que esse número pode chegar a 2 milhões de brasileiros.A causa para a discrepância dos dois dados é a dificuldade em se obter o diagnóstico do Transtorno do Espectro Autista (TEA). 
Conforme a educadora e psicóloga,Ester Pereira,que esteve nessa terça-feira na tribuna da Câmara,é preciso conhecer o autismo para que as pessoas possam respeitar os autistas.Ester,parabenizou o radialista-blogueiro Paulo José,pelo tema abordado no Blog e disse que a maior dificuldade para quem enfrenta o autismo é,de fato,o preconceito."As pessoas não buscam orientação,não tentam entender.Muitas vezes são intolerantes", lamenta.
Dificuldade na saúde
O acesso ao tratamento devido para quem tem autismo é restrito. "Ainda não temos bom acesso,nem no setor público,nem no particular". Por ter um filho com o transtorno,a médica Emanuelle já passou por dificuldades em achar profissionais que oferecessem a assistência necessária."Isso é uma das questões que a gente vê que ainda não mudou.A pessoa cursa enfermagem,medicina e ela tem que estar pronta para isso",reclamou. 
Professor,doutor em educação e especialista em autismo,Eugênio Cunha concorda que o sistema de saúde tenha problemas para atender os que sofrem com o transtorno."A saúde tem ações e papéis legais.O autista tem maior respaldo para ser atendido na saúde,na educação,mas,por outro lado,os profissionais ainda não estão preparados para receber um autista", explicou.
"Isso é uma das causas do movimento.As pessoas precisam ficar mais atentas aos sintomas.Na área da saúde,as pessoas que lidam com esse tipo de situação devem saber como lidar,como tratar com isso", analisou Cunha."Eu acho que o desconhecimento da sociedade é um problema. Como a pessoa não sabe o que é o autismo,ela não sabe lidar com o transtorno",completou.
Segundo o Ministério da Saúde,os pacientes com autismo podem ser atendidos no Sistema Único de Saúde(SUS),nos serviços que compõem a Rede de Atenção Psicossocial(RAPS).Segundo a pasta,a rede de reabilitação em todo o país conta com 2.385 serviços de reabilitação e estimulação credenciados no SUS,com 217 Centros Especializados em Reabilitação(CERs);36 Oficinas Ortopédicas;236 serviços de reabilitação em modalidade única;e 1.896 serviços de reabilitação credenciados pelos estados e municípios. 
“O atendimento nos Centros Especializados em Reabilitação compreende,além da avaliação multiprofissional,acompanhamento em Reabilitação Intelectual e dos Transtornos do Espectro do Autismo (TEA),bem como orientações para uso Funcional de Tecnologia Assistiva.A avaliação multiprofissional é realizada por uma equipe composta por médico psiquiatra ou neurologista e profissionais da área de reabilitação para estabelecer o impacto e repercussões no desenvolvimento global do indivíduo e sua finalidade",informou o texto.
Mitos e verdade sobre o transtorno
Cunha também levantou alguns dos mitos sobre o transtorno, temas abordados em seus livros.Ele é autor Autismo e inclusão- psicopedagogia e práticas educativas na escola e na família; Autismo na Escola-um jeito diferente de aprender, um jeito diferente de ensinar; Práticas pedagógicas para a inclusão e diversidade e Afeto e aprendizagem – relação de amorosidade e saber na prática.
"É mito falar que o autismo é uma doença.É um transtorno.Também é falso dizer que o autista não tem afetividade e que não gosta de pessoas",afirmou. Além disso,o professor frisou que o autismo pode melhorar ao longo da vida e do tratamento."Ele aprende independentemente do nível do comprometimento.A questão é como ensinar.Ele tem empatia e suas próprias dimensões afetivas,mas a sociedade tem que entender essa maneira de se expressar que o autista tem”,ressaltou.Os principais sintomas são a dificuldade de interação social,dificuldade de comunicação,e “forma literal de agir",inflexível, com baixa aceitação de mudanças na rotina.
S E VOCÊ tem alguma denúncia ou algo importante  e quer contar pra todos,colabore com a reportagem do BLOG PAULO JOSÉ e envie seu material para o e-mail: fvpaulojose@gmail.com
ADICIONE nosso WhatsApp 73 9 9941-5577

0 comentários:

Postar um comentário

Regras do site:


Não serão aceitos comentários que:

1. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

2. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.