quarta-feira, 25 de maio de 2016

CANAVIEIRAS E SUA HISTÓRIA

Formada por Sete ilhas marítimas, diversas fluviais, sendo a Ilha de Atalaia uma das mais importantes, dezessete quilômetros de praias, coqueirais, Mata Atlântica e áreas de manguezal que abrigam garças, papagaios, periquitos, gaivotas e andorinhas entre a variada e rara fauna silvestre, formam a beleza de Canavieiras.
Na ilha de Atalaia e em certos trechos da Praia da Costa é possível cuidar da saúde nas areias monazíticas. Publicações especializadas destacam Canavieiras como o maior pesqueiro natural de robalo (um peixe de carne nobre) do Brasil, o que atrai para o lugar esportistas adeptos da pesca.
A fartura de frutos do mar, do rio e do mangue - caranguejos, ostras, siris, lambretas, camarões, lagostas e peixes de várias espécies. O melhor local do Brasil para pesca de Robalo, com isso faz de Canavieiras um paraíso gastronômico. O município que também é conhecido como Capital do Caranguejo.
O município de Canavieiras está situado a 576 km ao sul de Salvador, 111 km de Ilhéus e 207 km ao norte de Porto Seguro.
A cidade que foi fundada por colonizadores portugueses, por volta de 1700, tem aproximadamente 33.000 (IBGE 2010) habitantes, possui ruas largas, planas e arborizadas e ainda conserva o casario típico dos séculos XVIII e XIX, muito bem conservados.
Apesar de ter ficado famosa depois de servir de palco para gravações de uma novela da Rede Globo, "Porto dos Milagres" (adaptação livre do romance "Mar Morto", de Jorge Amado, escritor ícone de Bahia), Canavieiras não é uma cidade freqüentada pelo turismo de massa, sendo boa opção pra quem quer curtir a natureza.
Pra quem busca tranqüilidade e quer praticar a pesca esportiva, a costa local é considerada uma das melhores do mundo para pesca de Robalo e Marlim-Azul. Além disso, praias boas para wind-surf e caiaque, como a Praia do Patipe fazem parte da região que conta com praias semi-desertas como a do Sul. Das urbanas, destaque para a da Costa e Barra do Albino, também é possível fazer passeios guiados por trilhas ecológicas de bike ou a pé.
Apesar do nome, em Canavieiras é que foi plantado o primeiro pé de cacau a Bahia, na Fazenda Cubículo, com semente trazida da Amazônia. Nos tempos coloniais a cana-de-açúcar era quem movimentava a economia local, hoje, o coco e a piaçava é que o fazem e garantem belas vistas de fazendas pelo caminho para se chegar à cidade.
O ano de 1700 é considerado o começo da povoação de Canavieiras. Na época o município fazia parte da capitania de São Jorge dos Ilhéus.
Mesmo sendo o donatário das terras, um português, Jorge Figueiredo, as terras situadas na foz do rio Pardo (antes Patipe) permaneceram por muito tempo despovoadas de brancos. Com o desmembramento de Ilhéus, em 1833 o território passou a ser chamado de Imperial Vila de Canavieiras e ainda neste século passa a criar novos núcleos populacionais visando à colonização e expulsão dos índios que ali habitavam, além da exploração de metais preciosos descobertos na ocasião.
O início do povoamento se deu de acordo com informações da prefeitura municipal, com a chegada de um grupo de brasileiros e portugueses fugidos de índios de outras regiões que estavam em busca de melhores terras para suas lavouras. Eles chegaram a um local conhecido como Poxim (em Tupi, "coisa feia e ruim") e ali construíram uma capela para São Boaventura, cuja imagem fora encontrada na praia. Em torno da área foi crescendo um povoamento organizado, que logo se expandiu pelas adjacências.
O nome Canavieiras é oriundo de Uma das primeiras famílias a se deslocarem de Poxim para a foz do Rio Patipe (hoje Pardo), esta família chamava-se Vieira e além do sobrenome, como outras, se dedicavam ao cultivo da cana-de-açúcar. Por isso, Cana dos Vieiras, Canavieiras.
Canavieiras faz parte da região da Bahia denominada de "Costa do Descobrimento", que abrange todo o litoral sul baiano.
As praias de Canavieiras dispensam comentários e valem qualquer viagem que se faça. No centro, encontra-se o Sítio Histórico, com construções coloniais do século XIX, restauradas e preservadas pelo patrimônio histórico.
Para o turista, também existe opções de passeios de lancha pelo Rio Pardo, visitando áreas de mangue e sendo brindado com as mais belas paisagens naturais do Brasil.
Distância da Capital: 582 km (pela BR-101).
População: Aproximadamente 33 mil habitantes.
Clima e Altitude: Tropical Úmido com altitude de 4m.
Temperatura: Média de 24ºC.
Fuso Horário: Fuso Oficial de Brasília e 3h a menos que o horário de Greenwich.
Onde comer: Na orla, no Centro Histórico há boas opções para alimentação, além de ser um ambiente bem agradável, onde os restaurantes colocam as mesas na calçada, às margens do Rio Pardo.
Onde ficar: Existem opções de Camping, pousadas e hotéis na cidade, inclusive alguns situados na praia.
Como chegar: Pode ser por transporte aéreo, terrestre ou marítimo.
Via Aérea: Através da empresas operadoras de transportes aéreos que fazem linha para Ilhéus, ou através de pequenas aeronaves particulares que podem pousar diretamente no aeroporto da cidade.
Via Terrestre: O melhor acesso rodoviário para Canavieiras é através da BA-001, que liga Canavieiras a Ilhéus.
Via Marítima: A cidade conta com o Porto do Malhado (Ilhéus) para receber passageiros de navios de todas as partes do mundo.
Serviços: Contamos com serviços Rodoviários, Informações Turísticas, Centro Médico, Policiais, Bancários e a Prefeitura Municipal.
 
Como Atrações turísticas, temos, entre outras:
Construção Histórica: Casario do Centro: Sítio Histórico Governador Paulo Souto (casas do séc. XIX).
Igreja: Matriz de São Boaventura, construída em 1718.
Passeio: De Lancha: Rio Pardo, 3 roteiros por áreas de mangue; saídas do cais da cidade (Sítio Histórico).

Aeroporto: Aeroporto de Canavieiras: Pouso de pequenas aeronaves (até 50 passageiros).
jasmimproduções

0 comentários:

Postar um comentário

Regras do site:


Não serão aceitos comentários que:

1. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

2. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.